segunda-feira, 10 de junho de 2013

Raça Etnia e Atavismo

Raça, Etnia e Atavismo
Por Grimmwotan



Detalhes Inoportunos:
Comparando-se as "...raças e etnias...", e sabendo-se que um grupo étnico é uma comunidade humana definida por afinidades linguísticas e culturais, o qual difere do termo "...grupo racial...", no que tange ao fato de que etnia compreende os fatores culturais, como a religião, a língua, hábitos gastronómicos, hábitos no vestuário, outras tradições, etc., enquanto raça compreende apenas os fatores morfológicos, como cor de pele, constituição física, estatura, traço facial, etc), e levando-se em consideração o termo "...Atavismo..." (do latim atavus, "...ancestral...") o qual é o reaparecimento de uma certa característica no organismo depois de várias gerações de ausência. Decorre da não expressão de um gene em uma ou mais gerações de indivíduos, sendo que o termo é usado correntemente para referir-se a semelhanças físicas e/ou psicológicas entre seres e seus ancestrais mais distantes. E sendo que culturalmente, usa-se o termo para fazer referência à recuperação de atitudes ou tradições ancestrais que teriam permanecido latentes durante longo período.

E sabendo que vários medicamentos - para diabetes, pressão arterial - variações clima - como a falta de vitamina D que pode desencadear câncer intestinal em afrodescendentes por falta do sol forte da África, ou o sol excessivo que pode fazer mal a caucasianos ou a arianos - e que quando duas pessoas geram um filho, pelas leis físicas, biológicas e bem com pela teoria do caos SEUS GENES NÃO SE MISTURARÃO, ELES FICARÃO SOBREPOSTOS, excluindo-se o mais fraco pelo mais forte, fator fortemente ativo principalmente em pessoas oriundas de relações miscigenadas, onde a probabilidade de que as melhores características de cada raça e etnia por herança, fiquem reduzido ao que os pais trazem consigo mesmos e como o feto é gerado, sem mencionar os 20% máximos de molde social a volta da pessoa para desencadear a perda do total do melhor ou desenvolvimento do pior, a probabilidade de morte das heranças ancestrais em face da desestruturação dos fatores que definem o que um povo é e pode vir a ser, é fortíssima em grupos miscigenados, haja vista o nauseante funk ou a síndrome de corrupção em massa, associada a demência das chamadas "...bolsas sociais do coitadismo..." que financiam o crack e os bandidos nas cadeias, em países como o Brasil, por exemplo.

Pois é FATO QUE SE PODE RESGATAR E ATIVAR O QUE HÁ DE MELHOR, não importando se a pessoas venha a ser Européia ou Árabe, ou euro árabe, porém é FATO QUE UMA DAS HERANÇAS ANCESTRAIS VAI IMPERAR PARA QUE O SISTEMA PESSOAL DE RESGATE E DESENVOLVIMENTO, POSSA CRESCER EM SI.

ALÉM DISSO, temos que levar em consideração que a maioria da população que pode ser observada , quando nos referimos a "...raça/etnia/atavismo...", não é uma população de "...Morgan Freeman...", "...Arnold Alois Schwarzenegger...",  "...Hipácia de Alexandria...", "...Vlads Tepes...", "...Marie Curie...", ou "...Hermans Cherusqs...", ou seja, a maioria da população é uma massa não individuada, a qual não se imporá os rigores necessários para melhoria pessoal, em hipótese alguma, pois tende ao “...coitadismo...” e ao idiotismo, em prol de vantagens e morbidez preguiçosa.

Um resgate pode surgir não importando se UM DETERMINADO INDIVÍDUO SEJA DE UM GRUPO ESPECÍFICO OU DE VÁRIOS MESCLADOS, porém o fator resgate e a vontade pessoal gerados pela "...RESILIÊNCIA, INTELIGÊNCIA E BELEZA...", fatores que designam o status de superioridade de alguém, e sua aplicação para o devido resgate ancestral, pode ser expressado pela comparação exata que ocorre entre os genes, os pais, a criança a ser gerada e o trânsito, onde o caminho ao qual se quer chegar é tanto mais fácil quanto menos "...engarrafado..." o quanto este trânsito estiver, cabendo um esforço absurdamente maior para o resgate ou crescimento pessoal , no caso do "...trânsito estar mais engarrafado...", com genes que estarão com possibilidades gritantes de estarem lutando contra si mesmos, ou gerando bloqueios uns contra os outros, como acima foi definido.




Pais por mais hipócritas e demagogos que venham a ser, sempre querem os melhores esposos e esposas para seus filhos e filhas, para que possam olhar com orgulho para seus netos, para que estes sejam tanto mais bonitos, quanto mais inteligentes, quanto mais fortes, quanto mais altos, e isso simplesmente é um reflexo das leis da Natureza, sendo que isto simplesmente é uma expressão do termo "...Eugenia..." - criado em 1883 por Francis Galton (1822-1911), significando "...bem nascido...". Galton definiu eugenia como o estudo dos agentes sob o controle social que podem melhorar ou empobrecer as qualidades raciais das futuras gerações seja física ou mentalmente.



Curiosamente a biologia usa-se do termo “...FITNESS/APTDÃO...”, para a possibilidade de melhor transmitir genes, e bem como para definir aqueles e aquelas que são mais “...áptos...” fisicamente, por terem uma ótima genética.

Ou seja, mesmo que dominados pela hipocrisia das bobagens marxistas - até mesmo porquê  geneticamente falando, a própria existência de Marx, vem a quebrar com a igualdade tão apregoada por ele próprio, uma vez que ele mesmo era divergente dos demais a sua volta, teve o mesmo tipo de educação proposta por outros pais, da região onde estava, e se insurgiu por resiliência, contra os ditames que lhe eram impostas -  os pais tendem a procurar pela Eugenia, e nada podem fazer contra isso.

Claro está que muitas vozes se erguerão contra estes pontos de vista, e citarão fatores como vieram a ocorrer  na família nigeriana de Ben Ihegboro, onde uma garota de pele branca, olhos azuis e cabelos loiros veio a nascer de pais negros e de origem africana, supondo que isto de alguma forma interfere com o ponto de vista dos atavismos, ou é um fator que poderia vir a avançar contra o conceito de resgate ancestral – claramente pela suposição de que a humanidade teria vindo em todos os sentidos da África.

Esquecem-se estes que venham a fazer tais coisas, que embora não seja albina, a menina citada possuí a mesma morfologia de seus pais, e seu tipo de cabelo pode ser simplesmente um evento ligado simplesmente a genes similares ao TYRP1 dos melanésios, ou a algumas síndromes e doenças que desencadeiam a falta de melanina, com por exemplo:

Síndrome de Waardenburg: é um transtorno que se apresenta como uma mecha de pêlos que crescem sem pigmentação na parte frontal da cabeça, ou pela ausência de pigmentação numa das íris.
Síndrome de Chediak-Higashi: falta parcial da pigmentação na pele, associado a alterações imunológicas celulares, tendo tendência a criar graves infecções sistémicas.
Esclerose tuberosa: pequenas áreas localizadas com despigmentação.
Síndrome de Hermansky-Pudiak: albinismo generalizado, associado com problemas sangüíneos, pulmonares e intestinais.

E em qualquer dos  casos, ela não estará sendo uma prova de vínculos de ancestralidade africana em europeus, ela será simplesmente o caso da presença de atavismos – no caso de não ser uma síndrome ou doença – de um atavismo pertinente a alguns casos exclusivos da África.


Massificação, Individuação e Universalismo

Retratemos agora alguns pontos importantes a respeito deCultura de Massa, Cultura em Massa, ou MASSIFICAÇÃO CULTURAL.

Massificação  é o total de ideias, perspectivas, atitudes, imagens e outros fenômenos que são julgados como preferidos por um consenso informal contendo o mainstream – a preferência do povo -  de uma dada cultura, especialmente a cultura ocidental do começo da metade do século XX e o emergente mainstream global do final do século XX e começo do século XXI.
Fortemente influenciada pela mídia de massa, essa coleção de ideias permeia o cotidiano da sociedade.

A cultura popular é frequentemente vista como trivial , simplificada, superficial, consumista, sensacionalista, e corrupta.

Hannah Arendt, escreveu em 1961 que uma "mídia dirigida pelo mercado lideraria o deslocamento da cultura pelos ditames do entretenimento."

Susan Sontag argumenta que, na nossa cultura, os mais "...inteligíveis, persuasivos valores são crescentemente tirados das indústrias de entretenimento...", "...debilitam os padrões de seriedade...". Como resultado, tópicos "...tépidos, pouco definidos, insossos, suaves, tolerantes quando a vícios de costume ou comportamento e sem sentido...", vem a se tornarem uma norma.

No livro de Rosenberg e White “...Cultura de Massa...”, MacDonald argumenta que:

 "...A cultura popular é uma degradada e trivial cultura que esvazia todas as profundas realidades (sexo, morte, falha, tragédia) e também os simples e espontâneos prazeres.As massas, pervertidas por algumas gerações desse tipo de coisa, começam a demandar produtos culturais tolos e torpes..."

Van den Haag argui que "...toda a mídia de massa no seu final aliena as pessoas de experiências pessoais e embora pareçam compensar isso, intensificam o seu isolamento moral uma das outras, da realidade e delas mesmas...”

Como podemos ver o processo de “...zelar pelo pior, em prol do lucro...” que tanto se usa e estimula a massificação, entra em choque direto com um conceito muito interessante chamado “...Indivudação...”.

O  conceito de Individuação foi criado pelo psicólogo Carl Gustav Jung e é um dos conceitos centrais de sua psicologia analítica.

A individuação, conforme descrita por Jung, é um processo através do qual o ser humano evolui de um estado infantil de identificação para um estado de maior diferenciação, o que implica em uma “...ampliação da consciência...”.

Através desse processo, o indivíduo”... identifica-se cada vez menos...” com as condutas e valores encorajados pelo meio no qual se encontra e mais com as orientações emanadas do “...Si-mesmo...”, a totalidade de sua personalidade individual.

Jung entende que o atingimento da consciência dessa totalidade é “...a meta de desenvolvimento da psique...”, e que eventuais resistências em permitir o desenrolar natural do processo de individuação é uma das causas do sofrimento e da doença psíquica, uma vez que o inconsciente tenta compensar a unilateralidade do indivíduo através do princípio da enantiodromia - do grego ἐνάντιος, enantios, oposto somado a δρόμος, dromos, pista de corrida – o qual é um termo criado pelo filósofo Heráclito,  para o conceito de que uma grande força em uma direção gera uma força no sentido oposto.

Para Jung, Um dos passos necessários para a individuação seria a assimilação de quatro funções - sensação, pensamento, intuição e sentimento - conceitos definidos por Jung em sua teoria dos tipos psicológicos, sendo que em seus estudos sobre a alquimia, Jung identificou a meta da individuação como sendo equivalente à "...Opus Magna...", ou "...Grande Obra..." dos alquimistas.

Como vemos a Massificação que tanto despedaça com a grandiosidade que poderia ser um equivalente do termo humanidade, é uma expressão direta do Universalismo, o qual pode ser definido como “...Opinião que não reconhece outra autoridade senão o consentimento universal, e bem como uma tendência para universalizar uma ideia, uma obra, um sistema...”, em geral a vertente chamada Universalismo Espiritualista advoga que:

As religiões são criações do gênio humano e não imposições de deus e dos espíritos;
Não existe corrente de pensamento a monopolizar as verdades relativas de ponta ou absolutas;
Há caminhos diferentes para se atingir a evolução espiritual, dentro e fora de religiões;
Mais importa a conduta ética, amorosa e fraterna do que a ideologiacosmogonia ou organização religiosa (ou congênere) escolhidas;
São contraproducentes e inócuas disputas por qual o melhor guru ou líder espiritual da humanidade;
Todas as contribuições ao esclarecimento espiritual são válidas e relevantes, merecem respeito e apreciação sem preconceito, devendo-se extrair de cada ideologia o que nela houver de proveitoso ao aprimoramento do indivíduo e da sociedade.

A Massificação ligada a todos os conceitos Universalistas é tal, e é apresentada de tal forma – exatamente como vem a ocorrer com os pontos de vista do marxismo cultural, ou mesmo com as políticas afirmativas – que há uma tendência das pessoas em supor que vem a ser uma coisa útil produtiva, e supostamente benéfica, porém ao ser observado com cuidado, não há engano mais ledo, do que este.

Em primeiro lugar, existem correntes de pensamento que podem monopolizar verdades inalienáveis e inocultáveis – embora sejam apresentadas de forma ridicularizada na sociedade atual – e todas estas correntes de pensamento se baseiam em formas de ser, tais e quais aos pontos de vista de Nietzsch sobre força, fraqueza, bem e mal:

“...Bem é tudo que nos fortalece e Mal é tudo que nos enfraquece...”


Desta forma, associando este simples fator natural, podemos detectar as muitas formas de comportamento que no decorrer do tempo, acabaram por minar e erradicar a capacidade humana para crescimento, dando lugar a formas nauseantes de ser, que levaram o ser humano a rastejar na sarjeta – um claro exemplo disto é o avanço do cristianismo, catolicismo, islã e judaísmo, que ao destruírem grandes marcos históricos como a Biblioteca de Alexandria, o Culto Ancestral Nabateano que havia antes do islã em Meca, ou mesmo o culto natural original Fenício praticado em Judah, desencadearam o maior retrocesso histórico, social, científico e humano, pelo qual a Terra veio a sofrer, e do qual somente resultou morte e perseguição de livres pensadores, ou de sacerdotes de tradição antigas, que nada tinham haver com as tolices bíblicas, bobagens do talmud, canalhices do alcorão ou estupidez da torah.

Embora tenham acertado ao afirmar que “...venham a existir caminhos diferentes para atingir a evolução espiritual, dentro e fora das religiões...”, esquecem-se que em meio aos movimentos originais ligados aos povos que vieram a se formar em redutos específicos de si mesmos, que teceram tradições antigas ligadas aos limites físicos e pessoais, dos povos onde as mesmas floresceram, o melhor e mais cotado caminho para um determinado povo, ou determinada pessoa, ou determinada raça, é o caminho que venha a refletir o passado e a ancestralidade desta pessoa, e somente por este caminho esta pessoa pode vir a despertar pelo resgate atávico, sua individualidade.

Supõe que a conduta ética e moral é mais importante do que a tradição que possa haver em uma ou outra religião, mas esquecem-se que a ética e  moral específica de um determinado povo, que não tenha sido corrompido pelos vícios do universalismo massificante do monoteísmo – lembrando sempre que a palavra católico significa “...universal...” - é a melhor ética e moral, para definir o melhor meio de crescimento pessoal e em consequência coletivo, para um determinado povo, qualquer que venha a ser este povo, esta raça, ou seus sub grupos específicos.

Apenas acertam – EM PARTE – quando citam que podem ser contraproducentes e inócuas disputas por qual o melhor guru ou líder espiritual da humanidade, POIS o melhor líder para um determinado povo, é aquele que consegue resgatar a NOBREZA, ligada ao “...bom nascimento...” – como acima veio a ser esclarecido o que vem a ser “...Eugenia...” – que vem a resgatar por si o “...Atavismo...”, através do desenvolvimento da “...FORÇA...” no indivíduo pela erradicação da “...FRAQUEZA...” do ser, ou do que o leva a mesma, o que em si se constitui de “...BENEVOLÊNCIA...”, como podemos observar nos pontos de vista de Nietzsch. O que significa que há líderes para cada povo, e não um só líder para todos os povos, pois cada povo é extremamente diferente de outro povo.


Conclusão

Embora a propagando em massa, a mídia, as religiões em geral, os políticos e a ralé humana que teme ser exposta pelo que é, tenha crescido grandemente pelo mundo, e embora muitos estejam tecendo teorias que conduzam os tolos do mundo a um estado de tranquilidade “...afirmando seu erro como um acerto e o correto como irreal...”, a meta pessoal de cada pessoa realmente capaz de se desenvolver, persiste sendo a mesma.

Todo aquele que vem a despertar, e que quer resgatar os tesouros que possa dispor dentro de si mesmo, aquelas respostas que somente cada um realmente versado na necessidade de resgatar sua identidade pessoal, e tudo que possa levar a mesma, continua a travar uma batalha sem tréguas contra a onda corrupta de distorção, que tem por finalidade banir a existência dos ideais, saber e valores ancestrais, os quais são a meta única, justificável e válida para responder o enigma da esfinge “...Decifra-me ou Devoro-te...”!

Assim sendo, não se pode tolerar nada que possa interferir nos meios, modos e sistemas que vem a desencadear a aquisição dos atavismos, a melhora pela via da eugenia, como ferramentas verídicas para atingir o ápice da Individuação.








Nenhum comentário:

Postar um comentário